Privatizar o pré-sal: ataque a soberania nacional?

Na próxima sexta-feira (30), às 19h, haverá debate com o tema “Privatizar o Pré-sal: ataque a soberania nacional?”. O evento será realizado na Associação Cultural José Martí, em Santos, e terá a participação de diretores do Sindipetro-LP

Sem vontade política e com interesses privados se sobrepondo aos interesses da nação, o pré-sal brasileiro, última reserva de petróleo descoberta no mundo, está para ser entregue de mão beijada para as grandes multinacionais. O Congresso Nacional está para votar o Projeto de Lei (PL) 4567/2016, de autoria do senador José Serra. Se aprovado, a Petrobrás deixará de ter a participação mínima de 30% na exploração de petróleo e as reservas estarão abertas para as empresas privadas que quiserem aqui se instalar.

Desde o anúncio da descoberta do petróleo do pré-sal, em 2006, a região tem sido preparada para receber os investimentos que o negócio geraria em nossas cidades.

Dentre as promessas estava a criação de cerca de seis mil empregos diretos com a Petrobrás, que construiria três torres para administração e operação do pré-sal. Além dos prédios, empreendimentos imobiliários, comerciais e residenciais, criaram uma bolha imobiliária, que inflou os alugueis e aumento o custo de vida da população local. A expectativa gerada pela exploração do pré-sal na Baixada Santista também foi responsável pela criação de diversos cursos voltados para a área industrial e da petroquímica.

Dez anos após a descoberta, apenas uma torre da Petrobrás foi construída na cidade, milhares de salas comerciais estão fechadas e o trabalhador que se capacitou para a atividade petroleira enfrenta as mesmas filas em busca de emprego, disputados por milhares de desempregados da região.

A discussão é um importante momento de se apropriar do tema e fomentar a ampliação do debate com a sociedade. Não podemos  entregar nossas reservas para as grandes empresas estrangeiras!

A Associação Cultural José Martí fica na Rua Joaquim Távora, 217. O telefone de contato é (13) 3307-1494.

Fonte: Sindipetro-LP

Deixe um comentário