Petrobrás e entidades sindicais discutem realocação de trabalhadores de ativos hibernados. MENTIRA!

A Federação Nacional dos Petroleiros – FNP – vem denunciando o uso de fake news pela direção da Petrobrás para enganar a força de trabalho. Recentemente, a empresa disseminou uma fake news sobre a realocação de trabalhadores de ativos hibernados. Dentre os ativos estão: as plataformas de Águas Rasas, no Ceará; do Rio Grande do Norte; de Sergipe; plataformas dos campos de Cherne (PCH-1 e PCH-2), de Garoupa (PGP-1), de Namorado (PNA-1 e PNA-2) e de Corvina (P-09), na Bacia de Campos.

No texto enviado para a categoria, a empresa afirma que tem se reunido sistematicamente com as entidades sindicais para tratar do cenário atual desde o dia 19 de março. “Mais de 10 reuniões com os sindicatos foram realizadas para tratar das ações adotadas pela companhia. ” MENTIRA!

A FNP já denunciou que a empresa se limita a comunicar a decisão, sem nenhuma negociação com as entidades, sem acatar nenhuma das sugestões, conforme comportamento equivocado de Jair Bolsonaro, que teima em contrariar as orientações dos especialistas para combater a propagação do coronavírus.

 “Informamos aos sindicatos as medidas aprovadas previamente à divulgação ao público em geral, conforme os termos do parágrafo 1, da cláusula 41 do ACT vigente”. ISSO É FAKE!

Ou seja, a Petrobrás segue na direção contrária das medidas que estão sendo tomadas no mundo, de forma unilateral e autoritária, sem qualquer tipo de negociação.

Mas, Castello Branco não nos engana! O uso desse método é parte da moral do vale-tudo, que se manifesta em todo tipo de atos de corrupção, fraudes e manobras desleais para privatizar a Petrobrás.

Além disso, no momento em que se defende o isolamento social e cuidados com a vida, Castello Branco propõem expor os trabalhadores a mais risco, mandando trabalhadores para o Amazonas, que já tem colapso na saúde por causa do coronavírus.

Segundo informações locais, cerca de 80 trabalhadores da UN-SEAL (Alagoas e Sergipe) e de sondagem terrestre (CPT) serão transferidos para o Amazonas e para o Rio Grande do Sul. Uma estratégia clara para forçar o trabalhador a pedir demissão, sendo enviados para longe de seus familiares, sem falar no impacto cultural que isso pode causar.

Transferências desnecessárias, pode se dizer, uma vez que os ativos de Alagoas, que não hibernaram, possuem postos de trabalhos vagos, capazes de absorver esses 80 trabalhadores.

Por isso, estamos firmes nessa luta para impedir os desinvestimentos e as demissões dos trabalhadores, especialmente, neste momento de pandemia do Covid-19.

Fazemos ainda a defesa de uma ampla democracia para o debate e defesa de ideias. Inclusive, denunciamos constantemente a falta de negociação com os sindicatos. O uso de fake news é antidemocrático!

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp