Sob muita chuva Gerentes da IMC Saste e da Petrobrás são ?enterrados? no Rio

O SINDIPETRO-RJ e a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) realizaram no início da tarde desta segunda-feira (14), um ato em frente à sede da Petrobrás, edifício Edise, Centro do Rio de Janeiro

O protesto foi pela reintegração de 20 funcionários da empresa IMC Saste, prestadora de serviços da Petrobrás, na manutenção predial do Edise, que foram demitidos sumariamente por causa de um incidente com uma fritadeira.

Os petroleiros fizeram um enterro simbólico dos gerentes da IMC Saste (prestadora de serviços) e da Petrobrás, respectivamente, Marcelo Portela e Guilherme de Castro, gerente geral do Compartilhado.

Esses dois são os responsáveis pelo afastamento definitivo dos 20 trabalhadores da IMC Saste, no último mês de outubro. O afastamento configura-se claramente um abuso desmedido contra os trabalhadores da prestadora de serviços.

?O SINDIPETRO-RJ e FNP, antes de realizarem este ato simbólico, tentaram de todas as formas reverter essas demissões. Conversamos com vários gerentes da IMC e da Petrobrás para tentar buscar um acordo, mas infelizmente esses gestores se mostraram insensíveis diante da situação. Então resolvemos realizar esse ato para demonstrar nosso apoio a situação desses 20 demitidos, que representam 20 famílias que vão passar as festas do período de fim de ano sem seus empregos. Nós vamos continuar com essas atividades, enterrando simbolicamente outros gerentes que participaram desse processo? ? disse Emanuel Cancella, diretor do SINDIPETRO-RJ e coordenador da FNP.

A intransigência da gestão da Gerência do Compartilhado da Petrobrás foi lembrada na fala de André Bucaresky, diretor do SINDIPETRO-RJ. ?Durante duas semanas buscamos uma negociação, tentando falar com a gestão do Compartilhado que recusou a receber qualquer diretor do sindicato para conversar e ouvir nossos argumentos sobre essas demissões? ? informou.

O enterro é um recado claro de que o SINDIPETRO-RJ e a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) não aceitarão praticas como assédio moral e precarização, entre outras violências, contra nenhum trabalhador dentro do Sistema Petrobras, sendo efetivo e/ou terceirizado.

?É importante entendermos que o petroleiro e a petroleira não são somente os trabalhadores concursados da Petrobrás. Petroleiros são todos aqueles e aquelas que trabalham na indústria de hidrocarbonetos. Então, qualquer trabalhador efetivo ou terceirizado terá nosso apoio em situações que sofram qualquer tipo de violência aos seus direitos, esse é o entendimento do SINDIPETRO-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros? ? assinalou João Gilberto Martins, diretor da FNP.

Na próxima segunda-feira (21), o SINDIPETRO-RJ e a FNP vão novamente realizar outro ato com o um enterro simbólico, denunciando outros gerentes da IMC Saste e do Compartilhado da Petrobrás envolvidos nas demissões.

Fonte: Agência Petroleira de Notícias.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp