Aumento real já! Veja quanto você perdeu nos últimos anos

Mais uma vez, a Petrobrás tenta impor aumento real ZERO para a categoria petroleira, seguindo à risca a orientação do Governo. Outras categorias, como bancários, construção civil, metalúrgicos, químicos e comerciários, conseguiram arrancar neste ano ganho real no salário básico. Com os petroleiros não pode ser diferente.

Por isso, a reivindicação por GANHO REAL DE 10% NO SALÁRIO BÁSICO é o eixo da nossa campanha. Entretanto, mesmo sob a lógica de remuneração variável, a proposta é ruim. A empresa oferece abono de 90% de uma remuneração normal. Em 2010, foi de 100% ou R$ 6 mil.

Por isso, devemos construir uma greve nacional unificada para derrotar a contraproposta da Petrobrás. Desde meados de 1994, a companhia vem impondo reajustes discriminatórios, que prejudicam toda a categoria (ativos, aposentados e pensionistas). Com a concessão de níveis, PLR e abonos, a empresa camufla a enorme defasagem salarial em relação aos salários praticados em outras empresas do setor petrolífero e discrimina aposentados e pensionistas. A RMNR apenas aprofundou esta situação: achatou ainda mais o salário básico, prejudicando seus respectivos reflexos, e liquidou a chance do petroleiro conquistar uma aposentadoria justa.

Medidas recentes, que em tese reduziriam este problema, já causam novos problemas. O PAC para Júnior, por exemplo, colocou petroleiros que ingressaram recentemente na empresa no mesmo patamar de trabalhadores da categoria Pleno, há mais de dez anos na empresa. A Petrobrás, em vez de resolver o problema, divide a categoria e cria novas distorções.

Exigimos a imediata reabertura e revisão do PCAC. A insatisfação, refletida nos casos emblemáticos dos técnicos de contabilidade, técnicos de enfermagem, inspetores de segurança e inspetores de equipamento, atinge toda a categoria. Há 16 anos sem aumento real, os petroleiros acumulam perdas salariais que já ultrapassam os 30% e assistem a uma desvalorização crescente de seus salários, vendo estatais como o Banco Central oferecer salário básico de R$ 4.600 para cargos técnicos. Enquanto isso, a Petrobrás ? maior companhia do país e a 4ª maior empresa de energia do Mundo ? se recusa a mudar uma política remuneratória mesquinha e um plano de carreiras falido. Quem descobriu o pré-sal merece mais!

CLIQUE AQUI E VEJA QUANTO A CATEGORIA PERDEU NOS ÚLTIMOS ANOS (TABELA FEITA PELO SINDIPETRO-RJ)

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp