Em negociação, FNP repudia manobra para aprovar PLR Futura a toque de caixa

Antes das discussões em torno das comissões de ACT, FNP e RH Corporativo debateram nesta quarta-feira (19/02) a proposta da companhia de regramento da PLR ? cuja aceitação já vem sendo indicada pela outra federação, consolidando o seu completo abandono a uma das principais bandeiras históricas da categoria.

Por outro lado, a FNP insiste em reafirmar a defesa por uma PLR Máxima e Igual para Todos. Isso significa dizer que a FNP não discute ou cogita a possibilidade de ?arrancar? um melhor regramento. Pelo contrário, para nós a imposição de metas é por si só uma proposta que deve ser rejeitada integralmente. A tentativa de impor esta alteração – já para a PLR 2013 – também foi criticada.

Um rolo compressor contra a categoria!
É evidente que a categoria não teve tempo hábil para discutir o tema, sequer compreende a fundo todas as alterações propostas, ao mesmo tempo em que a companhia e a FUP tentam aprovar, no atropelo e às pressas, um ataque aos trabalhadores. Não é uma coincidência tanta rapidez.

É preciso, minimamente, garantir um debate democrático e amplo na base sobre as consequências de uma medida que será válida por cinco anos! E mesmo na hipótese desses critérios serem aplicados para a PLR 2013 (o que somos frontalmente contra), teríamos até julho para realizar esta discussão (quando é quitada a segunda parcela). Mas, evidentemente, nem Petrobrás, nem FUP, querem isso. Porque o debate profundo desta medida muito provavelmente abrirá os olhos de toda a categoria para a natureza nefasta deste regramento.

Chantagem e desinformação
Mais do que acelerar a discussão, a companhia tenta intimidar os petroleiros a votar a aprovação o quanto antes de duas formas: ao afirmar que esta é sua última proposta e ao ameaçar a aplicação de um cálculo possivelmente menor àqueles sindicatos que não assinarem o acordo. Por seu lado, a FUP cumpre seu papel entreguista ao indicar a aprovação de uma proposta que, além de representar um completo ataque, é rebaixada até mesmo em relação ao que ela propunha/exigia. Enquanto diz que irá disponibilizar simulados em sua página, já corre as suas bases para selar o acordo com a companhia à revelia da categoria.

Para nós, essa proposta representa um duro ataque aos trabalhadores, pois cria regras sobre as quais não temos controle, nos distanciando ainda mais da nossa luta por uma PLR Máxima e Igual para Todos, distribuída com isonomia ? sem privilégios! Com isso, abre-se uma ampla avenida para a própria companhia controlar o montante da PLR e perpetuar sua política de amigos do rei, que beneficia os senhores escalados em cargos de alto escalão.

A companhia quer vincular o pagamento de PLR a metas sobre as quais os trabalhadores não têm controle direto, que estão vinculadas a decisões estratégicas que muitas vezes são alvos, inclusive, de denúncias de irregularidades e corrupção (a denúncia atual de suborno e o escândalo de Pasadena, revelado por Silvio Sinedino, são apenas dois exemplos).

Isso aniquilaria o processo de negociação, pois a proposta de regramento vale por cinco anos, com reavaliação a cada dois, sem que esteja claro o que significa essa ?reavaliação?. Além disso, para ficar em apenas um exemplo absurdo dos critérios estipulados, o cumprimento de metas começa a variar na prática a partir de 95% (veja tabela no informe da empresa). Ou seja, antes disso está muito abaixo do valor máximo proposto aos trabalhadores.

Isso sem citar o fato de que a definição das metas é realizada, conforme comunicado, pela Diretoria Executiva, sendo aprovada pelo Conselho de Administração (controlado pelo governo e pelos acionistas). Os sindicatos não têm controle nenhum sobre isso e só são informados depois que tudo já foi decidido.

Ao longo da semana, a FNP irá divulgar a categoria novos informes sobre sua posição acerca da PLR Futura, uma vez que Petrobrás e FUP apostam na desinformação e na confusão para aprovar em votações-relâmpagos mais uma retirada de direitos. É hora da categoria se organizar para barrar esse ataque!

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp