Artigos

28/04: É preciso lutar pelo fim dos acidentes e doenças do trabalho. Basta de mortes!

Texto publicado no site da CSP-Conlutas   Este ano, o dia 28 de abril – Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho – acontece no momento em que o Brasil registra o aumento do número de mortes e notificações de acidentes no trabalho. Uma situação alarmante, que ano após ano, segue se agravando. Em 2022, segundo o Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, organizado pelo MPT (Ministério Público do Trabalho) e pela OIT, foram registrados no país 612,9 mil acidentes e 2.538 óbitos de trabalhadores e trabalhadoras com carteira assinada, um aumento de 7% em relação a 2021. O número de notificações ao SUS relacionadas a acidentes no trabalho também bateu recorde, com 392 mil registros no ano passado, um aumento de 22% em relação ao ano anterior. O quantitativo é ainda o dobro das 194 mil ocorrências comunicadas em 2018, há cinco anos. Na série histórica dos últimos dez anos (2012-2022), o total de acidentes de trabalho somam 6,7 milhões de casos notificados e 25,5 mil mortes no emprego com carteira assinada. Já os registros no SUS somam 2,5 milhões de casos, incluindo trabalhadores formais e informais. Os trabalhadores estão perdendo a vida e a saúde É uma verdadeira “pandemia” vivenciada pela classe trabalhadora na cidade e no campo, que afeta principalmente os setores oprimidos (mulheres, negros e LGBTs), fruto do aumento cada vez maior da exploração, da informalidade, dos ataques aos direitos e do enfraquecimento da fiscalização sobre as empresas. Essa é a lógica capitalista. Em todo o mundo, os números também são assustadores. De acordo com a OIT (Organização Internacional do Trabalho), a cada 15 segundos morre um trabalhador/a em razão de um acidente ou doença relacionada com o trabalho. Isso equivale a cerca de 6.300 mortes por dia, num total de 2,3 milhões por ano! Essa grave situação é consequência direta da superexploração imposta pelo capitalismo que, através de diversos mecanismos, como a reestruturação produtiva, metas abusivas, assédio e redução de custos, negligencia a saúde e segurança da classe trabalhadora. Doenças mentais relacionadas ao trabalho Na pandemia, as doenças psíquicas se agravaram, seja pelo estresse emocional causado pela situação sanitária mais grave desde o século passado e sequelas da Covid-19, bem como pela piora das condições de trabalho. O trabalho home office se ampliou e impôs uma nova realidade também marcada pela exploração. Em 2022, a síndrome de Burnout passou a ser reconhecida como doença ocupacional e incluída na CID (Classificação Internacional de Doenças). Conhecida como a doença do esgotamento profissional, esta síndrome é a expressão da superexploração deste sistema que não esgota apenas a capacidade física, mas também psicológica dos trabalhadores. Já em 2017, a OMS (Organização Mundial da Saúde) classificou a depressão como uma das principais causas de incapacidade para o trabalho no mundo. Categorizada como a “doença do século”, o transtorno depressivo afeta mais de 5% dos trabalhadores no Brasil, sendo a segunda maior causa de afastamentos. É preciso revogar integralmente as reformas que atacaram os direitos No Brasil, esse quadro de mortes, acidentes e adoecimento no trabalho ocorre no momento em que as condições de trabalho e os direitos estão cada vez mais precários, após as reformas Trabalhista e da Previdência e a Lei da Terceirização. O país tem hoje uma informalidade recorde. Trabalhadores sem a garantia mínima de direitos e condições de trabalho.  Não é a toa que assistimos até mesmo o aumento de casos de resgates de trabalhadores em situação análoga à escravidão. Nos últimos quatro anos, Bolsonaro atacou de forma brutal os trabalhadores, e tomou medidas como a revisão das NRs (Normas Regulamentadoras), que flexibilizou e enfraqueceu a legislação de saúde e segurança no trabalho e em relação às CIPAs. Vale citar ainda o sucateamento do INSS, a edição de normas que restringem os direitos previdenciários e o desmonte de órgãos de controle e fiscalização trabalhistas. Precisamos cobrar do governo Lula a revogação integral de todas as reformas e medidas que atacaram os trabalhadores! Organização e luta! Por tudo isso, o dia 28 de abril precisa ser um dia de luta para denunciar a exploração capitalista e fortalecer a organização dos trabalhadores. A CSP-Conlutas defende que a questão da saúde e segurança do trabalhador, incluindo o tema da saúde mental, precisa ser uma frente de luta permanente das entidades sindicais. Isso significa atuar para a formação de CIPAS combativas e atuantes, conscientização e mobilização dos trabalhadores, bem como a luta política para exigir do governo Lula que revogue integralmente as reformas Trabalhista, da Previdência, a Lei da Terceirização e todas as medidas neoliberais que atacaram os direitos da nossa classe. Basta de mortes e acidentes no trabalho, pela fiscalização e punição das empresas que matam e lesionam! Reparação aos lesionados! Revogação de 100% das reformas Trabalhista, Previdenciária e da Lei das Terceirizações! Redução da jornada, sem redução de salários e direitos! Basta de desmonte da fiscalização trabalhista, de ataques às NRs e normas do INSS e outras medidas que restringem os direitos! Revogação das NRs alteradas desde 2018! Fortalecimento das CIPAS e da organização no local de trabalho! Pelo reconhecimento da Covid-19 e da Covid longa como doença do trabalho! Aplicação do piso salarial da Enfermagem, já!  

LEIA MAIS

Está gostando do conteúdo? Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Categorias