Brasil

FNP e Sindipetro-PA/AM/MA/AP abrem debate com a Petrobrás sobre a reestatização das termelétricas Tambaqui e Jaraqui, no Amazonas

Diretor de Transição Energética e Sustentabilidade se comprometeu a analisar os casos e marcar nova reunião com a categoria petroleira   Hoje (11/09), os dirigentes da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e do Sindipetro Pará/Amazonas/Maranhão/Amapá se reuniram presencialmente com Maurício Tolmasquim, diretor de Transição Energética e Sustentabilidade da Petrobrás O encontro – que foi realizado no Edifício Senado (Edisen), no centro do Rio de Janeiro (RJ) – teve como pauta a discussão de alternativas para a reestatização das termelétricas do “Complexo PIEs”, com destaque especial para as usinas de Tambaqui e Jaraqui, no estado do Amazonas. Ambas integravam o portfólio da Petrobrás (que era controladora da Breitener S.A.) e foram privatizadas em 2021, no governo Bolsonaro. O encontro também visava discutir a compra de outras térmicas e direitos de reversão de usinas amazonenses, que estão sendo colocadas à venda pela Eletrobrás. “Nós viemos trazer novas informações para a Petrobrás. Trouxemos ainda anos de experiência na representação daquela categoria de trabalhadores que atuam em tais empresas. Isso para que a companhia já inicie o processo para trazer de volta essas empresas ao Sistema Petrobrás”, disse Silvio Cláudio, diretor da FNP e do Sindipetro PA/AM/MA/AP.     O diretor Tolmasquim se reuniu com os representantes da categoria petroleira num conflito de agendas e não pode permanecer muito mais do que 30 minutos com os dirigentes sindicais. Em sua exposição, os dirigentes da FNP e o pesquisador do Instituto Latino-Americano de Estudos Socioeconômicos (Ilaese), Gustavo Machado, relembraram ao gestor que a reestatização das térmicas de Tambaqui e Jaraqui (e outras) são estratégicas para vender energia mais barata e interromper uma escalada de monopólio privado na região Norte, ajudando também futuramente na transição energética. “É muito importante fazermos a integração do Parque Energético do Amazonas com a Província Petrolífera de Urucu, e continuarmos verticalizando a evolução do estado do Amazonas com energia mais barata e energia mais limpa”, complementou Silvio Claudio. O diretor Tomalsquim se comprometeu a agendar uma nova reunião com a FNP e o Sindipetro PA/AM/MA/AP após uma melhor análise técnica do assunto, a partir das diretrizes do Planejamento Estratégico da Petrobras.

LEIA MAIS

Está gostando do conteúdo? Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Categorias